logo Negócios SC
Simule sua Campanha
Novidade do setor

Turismo e pandemia: o que esperar no curto e médio prazo?

17/06/2020

Continuamos nossa cobertura sobre a expectativa de diferentes setores da economia diante da pandemia de Covid-19. Sabendo o que esperar, pode-se ter uma estratégia mais adequada para reagir à crise, como veremos agora com relação ao mercado de turismo e hotelaria.

Diferentemente da cadeia de alimentos, do mercado imobiliário, da indústria da moda e do setor automotivo, as empresas de turismo, hospitalidade e viagens precisarão de muito mais cautela. É preciso ser realista e firme para encarar o curto e médio prazo, até o desenvolvimento de uma vacina para o novo coronavírus.

Confira a seguir as opiniões de dois especialistas no assunto.

Expectativa de recuperação do turismo

Diversas análises internacionais apontam o mercado do turismo como um dos últimos segmentos que retomarão os índices de movimento pré-Covid-19. A McKinsey & Company, por exemplo, estima o início da retomada do setor no primeiro ou segundo semestre de 2021.

No Brasil, uma das autoridades na área é Milton Zuanazzi, diretor-presidente da SBTUR Viagens e Turismo S.A. e presidente da Associação Brasileira de Turismo Social (Abrastur). Ele dá um prognóstico semelhante:

— O mercado de turismo será dos últimos a voltar à normalidade. Não é possível prever a data, mas com certeza não acontecerá antes de 2021 — declara o especialista, que também ocupou o cargo de secretário nacional de Políticas de Turismo e foi ministro interino de Turismo.

Estanislau Bresolin, presidente da Federação de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Santa Catarina (Fhoresc), é outra autoridade que recomenda o realismo para encarar este período. Ele acredita que a próxima temporada ainda não será suficiente para retornar à situação normal.

— O turismo está sendo um dos setores mais impactados com essa pandemia e tudo nos leva a crer que este ano não deve melhorar — comenta o presidente da Fhoresc.

No entanto, Santa Catarina tem condições de sair na frente, em comparação com o resto do País. Bresolin lembra que o mercado de turismo catarinense está preparado, adaptado e cumprindo as normas necessárias para a retomada, cuja liberação das atividades ocorreu ainda em 13 de abril, por decreto do Governo Estadual.

— Como o vírus tem se difundido com menos intensidade entre nós, é possível que tenhamos um início de atividades anterior a outros estados. O problema é que nossa demanda é muito externa a Santa Catarina, por isso dependemos de como se moverão especialmente os mercados de Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Argentina e Uruguai — complementa Zuanazzi.

Leia também: O novo normal: o que é expectativa e o que é fato?

Destinos do interior e o turismo rural podem ser impulsionados. (Foto via Freepik)

Oportunidade para novos destinos

No curto e médio prazo, o turismo dependerá de quão bem cada lugar conseguirá controlar a pandemia. Não só os destino turísticos, mas também as cidades de origem dos viajantes. Há aí um dinamismo ao qual o setor precisa ficar atento.

— Geração de negócios nas crises sempre existe, por inovação ou por alguma atração diferenciada. Portanto, a criatividade será a principal mola propulsora — comenta Estanislau Bresolin.

Em um caso de demanda externa reduzida, uma solução é estimular a demanda interna. Nesse sentido, a McKinsey aponta que o turismo regional deve se restabelecer antes do que o internacional. Essa pode ser a oportunidade de destinos até então menos procurados se tornarem mais conhecidos e ganharem novos adeptos.

— Há uma tendência de que os destinos de baixa densidade populacional, como cidades do interior, o turismo rural e de aventura tenham um crescimento de demanda antes dos demais setores — explica Milton Zuanazzi.

E o especialista complementa:

— É uma boa hora para os produtos de baixa densidade se consolidarem. Eis o desafio de nosso turismo rural, de aventura e outros turismos ativos.

Leia também: Como reinventar seu negócio em meio à crise?

Foco e cautela durante a pandemia

Então, como o setor de turismo e hotelaria pode sobreviver à crise da pandemia de Covid-19?

— Não existe fórmula mágica para sobreviver. Quem tiver fôlego e criatividade pode resistir — responde o presidente da Fhoresc.

Já o presidente da SBTUR e da Abrastur destaca que, dependendo da situação e do impacto do novo coronavírus em cada região, alguns equipamentos hoteleiros podem ter mais vantagens interrompendo a atividade momentaneamente do que tentar operar com baixa demanda. Grandes investimentos em estrutura também podem ter de esperar.

— É uma situação muito difícil, mas todos têm de controlar muito suas despesas e deixar novos investimentos para depois que as coisas se normalizarem. Um olho no caixa e outro na estatística e nas autoridades sanitárias é fundamental nesta hora. Após a normalidade, sobreviverão os mais qualificados — declara Zuanazzi.

Está em dúvida sobre como divulgar seu negócio e reagir à crise? Confira as respostas no e-book Marketing em tempos de coronavírus para baixar gratuitamente aqui no Negócios SC.


Content Creator

Estúdio NSC Branded Content

Tenha uma marca inesquecível! Comece agora
Sucesso! Sua mensagem foi enviada.
Ops! Nós tivemos um problema mensagem não enviada.
Negócios SC NSC Comunicação linkedin facebook infograico