logo Negócios SC
Simule sua Campanha

voltar

Negócios SC

Negócios SC

Economia

Renda em Santa Catarina ganha reforço com auxílios

17/06/2021

A renda em Santa Catarina tem um amparo na menor taxa de desocupação da força de trabalho em todo o Brasil durante a pandemia. Enquanto o índice catarinense ficou em 6,2% no primeiro trimestre de 2021, segundo a PNAD Contínua do IBGE, a média brasileira ficou em 14,7%.

Como referência, o segundo melhor desempenho no período foi do Rio Grande do Sul, com 9,2%, três pontos percentuais acima do resultado catarinense.

Contudo, o fato é que muitas famílias no Estado tiveram a renda afetada nesses últimos 16 meses e é pensando nelas que novos auxílios emergenciais foram criados em Santa Catarina. Saiba mais sobre esses pagamentos a seguir, além das expectativas de renda para o segundo semestre deste ano.

Renda em Santa Catarina é maior que a média brasileira

Também de acordo com a PNAD Contínua, o rendimento nominal mensal domiciliar per capita da população residente em Santa Catarina foi de R$ 1.632 no ano de 2020. O resultado foi o quinto melhor entre as unidades federativas, atrás de Distrito Federal, São Paulo, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, ficando acima da média nacional de R$ 1.380.

Se considerarmos apenas a renda catarinense da população empregada, o número é igualmente superior ao patamar brasileiro. O rendimento médio real habitual das pessoas ocupadas alcançou os R$ 2.818 no primeiro trimestre de 2021, mais uma vez com o quinto melhor desempenho entre os estados, enquanto a média do País ficou em R$ 2.544 nos três primeiros meses deste ano.

Ainda assim, os domicílios sem renda do trabalho cresceram perto de 30% em Santa Catarina ao longo de 2020, como destacam Vicente Loeblein Heinen e Lauro Mattei no Núcleo de Estudos de Economia Catarinense, da UFSC.

Para reduzir os impactos econômicos da pandemia entre esse grupo de pessoas, o Estado de Santa Catarina e a Prefeitura de Florianópolis estipularam novos auxílios emergenciais para os cidadãos que não receberam o auxílio do Governo Federal, segundo os critérios de cada benefício.

Leia também: O desenvolvimento de Santa Catarina em 10 fatos

Renda catarinense permanece acima da média brasileira e ganha auxílios emergenciais. (Foto via Freepik)

Pagamento do auxílio emergencial em Santa Catarina

O auxílio emergencial em Santa Catarina será maior, por mês, que o valor pago pelo Governo Federal em 2021, com valor médio de R$ 250 em quatro parcelas.

SC Mais Renda: auxílio emergencial para SC

Em nível estadual, o SC Mais Renda é um auxílio que terá um valor de R$ 900, dividido em três parcelas, com o primeiro pagamento previsto para o final de julho. O benefício deve alcançar 67 mil famílias catarinenses. 

Os moradores do Estado receberão um cartão como o vale-alimentação — em vez de poderem sacar o saldo — que será aceito em supermercados, mercearias, padarias, quitandas, açougues, farmácias, restaurantes, papelarias, livrarias e postos de combustíveis.

Podem receber o auxílio as famílias com registro no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico) e no Benefício de Prestação Continuada (BPC), desde que não tenham recebido qualquer auxílio do Governo Federal. O benefício também visa aos trabalhadores que perderam emprego durante a pandemia, desde que incluídos em algumas categorias (alojamento, alimentação, casas de festas, eventos, artes cênicas, espetáculos etc.) e demais critérios do Governo Estadual.

O cadastro e mais informações estão disponíveis no site do SC Mais Renda.

AME: auxílio emergencial municipal exclusivo de Florianópolis

Florianópolis foi a primeira cidade de Santa Catarina a criar um auxílio municipal emergencial, o AME. Nele há duas modalidades de pagamento, iniciadas a partir de 28 de maio:

  • Cinco parcelas de R$ 300, totalizando R$ 1.500.
  • Cinco parcelas de R$ 375 para famílias monoparentais em que a mãe é provedora, totalizando R$ 1.875.

O benefício deve ajudar em torno de 3 mil famílias cadastradas no CadÚnico que residam na capital catarinense. Para ter esse direito, elas não podem ter recebido auxílio do Governo Federal, Bolsa Família ou qualquer outro auxílio relacionado à pandemia, nem passar da renda per capita de R$ 178. Apenas uma pessoa por família pode receber o AME.

O pagamento é feito pela Caixa Econômica Federal.

Mais informações encontram-se no hotsite da Prefeitura de Florianópolis.

A renda dos catarinenses ganha, com isso, um reforço justamente nas camadas mais impactadas pela pandemia. Além da população, é o mercado consumidor do Estado que sai fortalecido.

Leia também: Os resultados positivos da economia catarinense em 2021

Crescimento na indústria, comércio e serviços garantem empregos

A melhor renda, no entanto, é a do emprego. E o desempenho da economia catarinense vem sendo bastante positivo para a criação de oportunidades.

Na indústria, segundo a Pesquisa Industrial Mensal, do IBGE, entre janeiro e abril o Estado teve um crescimento de 24,4%, na comparação com o mesmo período do ano passado, sendo o melhor resultado no Brasil em 2021.

Também de acordo com o IBGE, o comércio catarinense cresceu 4,8% no quadrimestre, em relação ao ano passado.

Já no setor de serviços, o crescimento de Santa Catarina foi de 13,7% entre janeiro e abril, o segundo melhor índice no País.

Para saber agora como movimentar sua empresa nesse período de recuperação, conheça as soluções da NSC para divulgar seu negócio na pandemia.


Negócios SC

Negócios SC


Quer acessar mais dados relevantes do mercado?
Confira nossa seção de pesquisas
Clique aqui
Sucesso! Sua mensagem foi enviada.
Ops! Nós tivemos um problema mensagem não enviada.
Negócios SC NSC Comunicação linkedin facebook youtube infograico