logo Negócios SC
Simule sua Campanha
Inovação

Como acompanhar as mudanças no comportamento do público

12/09/2018

Em tempos de mudanças rápidas, acompanhar o consumidor e prever tendências de comportamento é o desafio das marcas.

Quando o Snapchat reformulou sua interface em fevereiro e foi criticado pela reality star Kylie Jenner, suas ações caíram significativamente. Meses depois, o mundo inteiro acompanhou a polêmica envolvendo o Facebook e seus controversos termos de privacidade. Enquanto os usuários se recuperavam do choque que abalou dois grandes nomes do Vale do Silício, a dúvida que pairava entre os anunciantes era: para onde vai o meu consumidor?

Novos aplicativos e redes sociais são lançados diariamente, todos com o intuito de conquistar um espaço de influência entre os usuários. As plataformas consolidadas, como as citadas no início da matéria e tantas outras (Instagram, Pinterest e Twitter, para citar algumas), também passam por atualizações frequentes. Isso é um desafio para as marcas que anunciam e utilizam esses canais, visto que as modificações no algoritmo dificultam o cumprimento de uma estratégia em longo prazo. Empresas e agências de comunicação percebem a necessidade de manter um grupo de novos profissionais afiados para observar o movimento das mídias e adaptar a rota a cada variação.

Entenda porque estratégias de comunicação são essenciais para o sucesso da marca.

Com tanto investimento em um território incerto, não é à toa que muitas marcas desistam de acompanhar seu público a cada nova febre digital. No entanto, os especialistas na área aconselham o contrário, pois manter o consumidor por perto é algo que ele próprio passou a esperar das corporações.

Os millennials, mas principalmente a Geração Z, estão descrentes do cenário político e focam no poder das marcas para transformar o mundo, para torná-lo mais justo. Com isso, o público começa a exigir mais. É quase como se “votasse” nas marcas com o seu dinheiro – afirma Andrea Bisker, head no Brasil do bureau de tendências Stylus.

Se seguir o usuário é o nome do jogo, como mapear a sua jornada? Compreender como o consumidor se comporta é o primeiro passo. Antes de determinar o canal para se comunicar, é preciso focar no porquê.

Tendências de comportamento

Em um mundo dominado por telas, a tecnologia é um caminho sem volta. Mais do que encontrar o comprador no ambiente virtual e promover campanhas nas redes sociais, as empresas precisam estar atentas a como as pessoas dialogam nesse universo para conversar de forma nivelada.

Conheça outras tendências de marketing: saiba o que é growth hacking.

Uma das previsões é que as marcas falarão com nossos avatares, com nossos assistentes digitais. Os bots serão sofisticados a ponto de fazerem as escolhas de produtos por nós e comprá-los. Então, as empresas devem guiar o marketing para montar estratégias também para o meu secretário virtual – explica Bisker, que usa o caso do Google Duplex como exemplo.

O vídeo da apresentação desse recurso viralizou ao mostrar como o bot foi capaz de compreender as nuances da uma conversa real para agendar, com naturalidade, um horário no cabeleireiro e uma reserva em um restaurante. Sem data de lançamento prevista, os executivos do Google sentem a responsabilidade do projeto e contam com o retorno do público para saber até que ponto avançar.

Ainda assim, é inegável que as pessoas hoje apostam na tecnologia para facilitar a vida. O online foi projetado para economizar tempo, o que proporciona ao público momentos livres para buscar novas formas de entretenimento.

Ao mesmo tempo em que existe a dependência, há uma fadiga digital gigantesca que faz com que as pessoas queiram fugir – argumenta a pesquisadora de tendências.

Segundo Bisker, a humanização é um forte anseio que permeia públicos de todas as idades. O escapismo do virtual pode ocorrer na forma de retiros e meditação, ou até mesmo por meio de esportes radicais, que oferecem a dose de adrenalina pouco suprida no dia a dia.

O fato de estar completamente conectado gera o comportamento ao contrário, ora na busca por emoção, ora na desconexão. São duas vertentes que evocam voltar a se sentir como um humano – explica Bisker.

Ao perceber esse movimento, as marcas já começaram a investir em experiências que vão além do digital. A Perrier, patrocinadora do Torneio de Roland Garros, instalou uma tirolesa na Torre Eiffel e convidou os torcedores a participar gratuitamente na edição de 2017. Os aventureiros percorreram 800 metros a 90 km/h, velocidade similar com a da bola de tênis em jogo.

Seja na tela de um computador, seja no espaço a seu redor, marcar presença no cotidiano do consumidor é a regra para mantê-lo fidelizado. Isso nem sempre precisa vir acompanhado de um grande investimento – basta identificar o que a empresa pode oferecer de relevante para que se inicie um diálogo.

Tudo que as pessoas querem hoje é olho no olho, é abraço. A grande tendência é voltar a ter esse contato humano – garante Bisker.

Saiba mais sobre conexões emocionais e como conquistar embaixadores para sua marca.


Luisa Wink

Luisa Wink

Produtora de Conteúdo do Estúdio NSC Branded Content

Tenha uma marca inesquecível! Comece agora
Sucesso! Sua mensagem foi enviada.
Ops! Nós tivemos um problema mensagem não enviada.
Negócios SC NSC Comunicação linkedin facebook infograico