logo Negócios SC
Simule sua Campanha

voltar

Negócios SC

Negócios SC

Indústria

Preservação ambiental e desenvolvimento

13/10/2021

O Brasil passa por um importante momento de amadurecimento de sua legislação ambiental, com consistentes mudanças já consolidadas e outras em andamento. Duas propostas relevantes estão em discussão no Congresso Nacional e na Assembleia Legislativa de Santa Catarina. A Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) defende que, sem abrir mão da proteção ambiental, a legislação elimine as descomedidas e inócuas regras que apenas criam obstáculos ou imposições, sem trazer resultados efetivos nem para a conservação dos recursos naturais, nem para o desenvolvimento. A entidade também julga necessário respeitar as áreas consolidadas e a descentralização das decisões para os âmbitos regionais e municipais, respeitando a realidade local.

No Congresso Nacional, está em tramitação o Projeto de Lei PL 2.510, já aprovado na Câmara dos Deputados, no dia 26 de agosto, e que foi enviado ao Senado Federal, onde é relatado pelo senador Eduardo Braga. Tanto em sua versão original, apresentada pelo deputado catarinense Rogério Peninha Mendonça, quanto na redação final, consolidada pelo relator, o também deputado de Santa Catarina Darci de Matos, o texto acolheu propostas da FIESC, notadamente no que diz respeito à regulamentação da ocupação no entorno dos cursos d’água em áreas urbanas consolidadas. Espera-se que o Senado mantenha as proposições aprovadas na Câmara, garantindo assim mais segurança jurídica a milhões de proprietários – pessoas físicas ou jurídicas – de terrenos nestas situações em todo o país.

A nova lei vai corrigir distorções como as decisões judiciais relativas a áreas urbanas tomando por base o Código Florestal. Embora seja uma legislação que trouxe importantes avanços, como o nome já diz, o Código Florestal é um instrumento criado para reger as florestas. A aplicação de suas diretrizes em ambientes urbanos poderia inviabilizar grande parte das cidades, que já se estruturam com base em legislações anteriores. Edificações junto a rios ou pequenos riachos precisariam ser demolidas.

Outra virtude do projeto que chegou ao Senado é que ele remete aos municípios a definição das regras específicas, o que corrobora com o princípio amplamente defendido pela FIESC, de que as questões ambientais sejam decididas nas localidades, de maneira que os cidadãos participem das decisões que mais diretamente os afetam.

Para a FIESC, a questão ambiental é um direito e um dever de toda a sociedade e precisa ser compreendida como instrumento do progresso. A pior legislação é a que não vai ser cumprida. É isso que acontece quando o texto da lei está desconectado da realidade e impõe regras que não podem ser aplicadas na prática. Trata-se do pior cenário para o meio ambiente, pois ele fica desprotegido.

Santa Catarina prestou contribuição fundamental ao País quando, com colaboração jurídica da FIESC, a Assembleia Legislativa aprovou o Código Ambiental estadual, em 2009. Ele serviu de referência para ao Código Florestal nacional, aprovado em 2012, dotando o País de um arcabouço legal robusto para promover o desenvolvimento sustentável. Contudo, a interpretação dessas legislações voltou a afastar as decisões judiciais da realidade objetiva de quem quer produzir e preservar. É por isso que os debates nas casas legislativas estadual  e federal neste momento são tão importantes. Novamente, Santa Catarina poderá apoiar a volta do bom-senso na discussão da legislação ambiental brasileira.

Presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar


Negócios SC

Negócios SC


Quer acessar mais dados relevantes do mercado?
Confira nossa seção de pesquisas
Clique aqui
Sucesso! Sua mensagem foi enviada.
Ops! Nós tivemos um problema mensagem não enviada.
Negócios SC NSC Comunicação linkedin facebook youtube infograico