logo Negócios SC
Simule sua Campanha

voltar

Negócios SC

Negócios SC

Vendas

Um novo olhar sobre o mercado de casa e decoração

26/08/2021

Qual é o melhor lugar do mundo na sua opinião?

Se você vive no Sul do Brasil, há uma grande chance de esse lugar ser seu próprio lar — resposta comum a quase 80% das pessoas na região, em pesquisa da Kantar IBOPE Media. Ainda mais no cenário de pandemia, além de um espaço de segurança e descanso, ele se tornou também um ambiente de trabalho, estudo, lazer e exercícios físicos.

As novas funções que o lar assumiu nesse período levaram a um olhar diferente sobre ele. Isso impactou o mercado de produtos para casa e decoração quando o consumidor percebeu que precisava investir nesse espaço para atender com conforto e harmonia às novas atividades. Não à toa, 42% dos usuários de internet aumentaram os gastos com melhorias para o lar em 2020.

Confira a seguir novos dados sobre essa relação mais próxima dos brasileiros com casa e decoração.

Investindo na ressignificação do lar

Em 2020, 46% das empresas brasileiras adotaram o modo de trabalho em home office, de acordo com a Fundação Instituto de Administração (FIA). Essa prática deve permanecer mesmo após a pandemia, considerando que 74% das multinacionais presentes no Brasil pretendiam continuar oferecendo essa opção a seus colaboradores, como revelou um estudo da Cushman & Wakefield.

Como resultado desse movimento, 32% das pessoas sentiram necessidade de ter um escritório em casa, é o que aponta uma pesquisa de QuintoAndar e Offerwise.

A chave para entender a ressignificação do lar é que a casa não se transformou apenas em escritório. Ela ganhou o espaço de trabalho, mas sem perder o lazer e o conforto. Também segundo o QuintoAndar e a Offerwise, 25% dos consumidores deram mais importância às áreas de lazer em casa.

O maior tempo passado em distanciamento social aumentou ainda mais o desejo por renovação dos ambientes. Dados da Kantar IBOPE Media mostram que 28,5% das pessoas na região Sul compraram artigos de decoração nos últimos meses. Essas compras envolvem móveis (82%), tintas (34,2%) e demais artigos de casa e decoração (36%).

O varejo acabou sendo beneficiado com esse novo olhar para o lar. As vendas no mercado de casa, decoração, presentes e utilidades domésticas tiveram aumento de 4,65% em 2020, de acordo com o IEMI, frente ao resultado de 2019. No ano passado, esse mercado movimentou R$ 87,7 bilhões no Brasil.

Leia também: 5 formas de como a publicidade na TV ajuda a vender mais

Quase um terço dos brasileiros sentiu necessidade de ter um escritório em casa. (Foto via Freepik)

Preço versus qualidade na decoração do lar

O que move esse consumidor que está buscando uma renovação do lar? Será que ele se importa mais com o preço dos produtos ou com a qualidade e durabilidade deles?

A verdade é que há um misto de interesses em jogo, como aponta uma pesquisa da Opinion Box. Características de preço e qualidade ocupam os quatro principais fatores para decisão de compras em casa e decoração.

O preço influencia 44% dos consumidores entrevistados, enquanto promoções são importantes para 25% deles. Por outro lado, a qualidade do material (36%) e a durabilidade do produto (29%) também têm alto grau de influência nas compras.

Vale destacar que a pandemia tem sido um período econômico desafiador para muitas famílias, o que exige uma consideração mais cuidadosa sobre o custo-benefício desses artigos.

Só depois de preço e qualidade entram em cena as influências de frete (21%), entrega rápida (17%) e condições de pagamento (15%), mais associadas ao modelo de operação e não aos produtos em si.

Mas chama a atenção que a marca seja importante para apenas 14% dos consumidores ouvidos. Esse fato também é percebido nos dados da Kantar IBOPE Media: 52,2% das pessoas na região Sul revelam que, embora tenham uma marca favorita, compram de outra se estiver em oferta especial. A fidelização, portanto, é um grande desafio desse mercado.

Leia também: Por que medir a fidelização de clientes e como fazer isso?

Compras físicas no mercado de casa e decoração

A jornada de compra desse consumidor é outro aspecto digno de nota. A complexidade desse caminho percorrido pelo público destaca a importância das empresas de casa e decoração adotarem uma estratégia omnichannel.

Quando o assunto é a escolha de móveis, por exemplo, um relatório da IEMI indica que 63,6% dos consumidores brasileiros começam a pesquisa pela internet. Entre eles, 71,2% têm o objetivo de conhecer o preço dos produtos nesse primeiro momento. Então, 69,9% desse público visitou uma loja física após a busca virtual para ver melhor os itens, mas apenas 18% optaram por voltar aos canais on-line para fechar a compra, preferindo para isso o comércio físico.

Dados da Opinion Box corroboram esse comportamento. Os meios virtuais aparecem como os preferidos para a procura por móveis:

  • Google: 58%
  • Sites de lojas conhecidas: 56%
  • Sites de comparação de preços: 51%
  • Lojas físicas: 38%

Entretanto, o fechamento da compra se dá preferencialmente fora da internet:

  • Lojas físicas: 62%
  • Sites de lojas: 49%
  • Apps de lojas: 30%
  • Outras formas on-line: 19%

Mas isso não quer dizer que o mercado de casa e decoração deva apostar apenas na comunicação pela internet para alcançar o consumidor. A Kantar IBOPE Media revela, por exemplo, que 88% das pessoas que compraram móveis, tintas e produtos de decoração na região Sul assistiram à televisão nos últimos 30 dias. E 63% dos brasileiros têm o hábito de pesquisar na internet os produtos vistos na TV.

Para saber mais sobre esse mercado, baixe o relatório de Insights sobre Casa e Decoração do Negócios SC.


Negócios SC


Já ouviu o podcast Negócios SC? Conteúdo direto ao ponto com convidados super especiais Ouça aqui
Sucesso! Sua mensagem foi enviada.
Ops! Nós tivemos um problema mensagem não enviada.
Negócios SC NSC Comunicação linkedin facebook youtube infograico