logo Negócios SC
Simule sua Campanha

voltar

Negócios SC

Negócios SC

Vendas

Pandemia acelera tendências do setor de supermercados

13/10/2021

É difícil encontrar uma atividade econômica que a pandemia não tenha transformado, com os resultados mais diversos. Mas, no caso do setor de supermercados, o cenário para as empresas foi bastante positivo.

Falando em números, as vendas em supermercados no Brasil tiveram um crescimento real de 9,36% em 2020, na comparação com o ano anterior, segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). Santa Catarina observou uma alta similar, de 9,65% no mesmo período, de acordo com a Associação Catarinense de Supermercados (Acats).

Profundas transformações ocorreram em meio a esse impacto. Enquanto o maior tempo passado em casa ditava novas tendências de consumo, supermercadistas de todo o País corriam para colocar em prática mudanças há muito em andamento.

Então, conheça a seguir um pouco melhor a situação dos supermercados no Brasil e quais tendências têm marcado o setor.

O cenário do setor supermercados na pandemia 

O setor supermercadista no Brasil é essencial não somente pelo que oferece ao público, mas também pelo que é para a economia brasileira.

Dados da Abras mostram que as vendas de supermercados atingiram R$ 554 bilhões no acumulado de 2020. Isso é equivalente a 7,5% do produto interno bruto nacional.

Além disso, o setor gera 3 milhões de empregos diretos e indiretos com suas mais de 91 mil lojas.

Então, o cenário de pandemia impulsionou um rápido crescimento dos supermercadistas brasileiros. Como explica Juliana Inhasz, professora de economia do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), o fato de as pessoas consumirem menos na rua e fazerem sua alimentação em casa foi um fator para alavancar as vendas.

Os resultados são inegáveis. Ainda de acordo com a Abras, até o primeiro trimestre de 2021 o setor de supermercados apresentou ótimos números. O acumulado das vendas entre janeiro e março registrou um crescimento de 7,06% frente ao mesmo período de 2020.

A partir desse momento, a alta dos preços causada pela inflação tem mudado o panorama do setor. Uma pesquisa do Instituto Paraná Pesquisas informa que 49,5% dos consumidores já apontam as compras de mercado como a principal carga sobre as contas domésticas. Com isso, ganha força a tendência do atacarejo, sobre a qual falaremos mais adiante.

Leia também: Como está a retomada econômica de Santa Catarina?

Setor de supermercados enfrenta um novo desafio com o cenário econômico. (Foto via Freepik)

O carrinho de compras pela internet 

Uma dessas tendências no setor de supermercados que se fortaleceram na pandemia foi a venda pela internet.

Em 2019, o percentual de internautas brasileiros que fizeram compras de supermercado on-line era de 9%. Então, em 2021, esse número subiu para 30%. Os dados são da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil).

Nesse sentido, a pesquisa “Supermercados e Hábitos de Compra”, do UOL, traz outras dados interessantes do setor:

  • 60% dos brasileiros pretendem continuar a fazer compras on-line mesmo após a pandemia.
  • 37% apontam a comodidade como o principal fator da escolha pelo canal digital.
  • 33% dos consumidores on-line adquirem itens pelo menos a cada 15 dias.

Além disso, os gastos em compras pela internet nos supermercados cresceram 57% durante a pandemia.

Leia também: A porcentagem das vendas on-line no varejo por segmento

Supermercados entram na disputa pelas datas comerciais 

As compras de supermercado também passaram a fazer parte da lista de desejos dos consumidores em datas especiais do varejo. O estudo “Black Friday 2021” revela, por exemplo, que 20% dos brasileiros entrevistados pretendiam incluir alimentação nas compras referentes à data.

Outra ocasião em que as vendas de supermercados disputam a atenção do consumidor é o Dia do Cliente. Em 2021, segundo uma pesquisa da Opinion Box, 71% dos consumidores tinham intenção de usar a data para comprar itens de necessidade com melhor preço, enquanto 17% queriam estocar produtos de uso recorrente.

Ou seja, o varejo de necessidade compete lado a lado com as compras de desejo nessas datas comerciais.

Leia também: Black Friday deve ter crescimento de 29% em 2021

Atacarejo deu o maior salto do setor de supermercados 

Como destacamos anteriormente, a busca por melhores preços tem levado milhões de brasileiros a migrar suas compras de supermercado para o atacarejo. O modelo que mescla as vendas de atacado e varejo, garantindo melhores negociações pelo maior volume de produtos, cresceu mais rapidamente que a média supermercadista no Brasil.

Segundo a consultoria Nielsen, no acumulado entre 1º de janeiro e 14 de março de 2021, as vendas no varejo físico como um todo tiveram alta de 14,5% ante o mesmo período de 2020.  Já o atacarejo sozinho subiu 22,8%.

A Nielsen também revela que seis em cada dez lares brasileiros já compram em redes de atacarejo. Inclusive, 860 mil famílias compram exclusivamente nesse modelo.

Outro dado ainda confirma essa tendência. O atacarejo representava 27,8% das vendas no grande comércio varejista do País em 2014. Em 2021, esse desempenho subiu para 40%.

É preciso acompanhar essas transformações, pois o setor de supermercados tem um grande papel na economia e na vida dos brasileiros. Então, veja mais tendências do tema no estudo do Negócios SC.


Negócios SC


Já ouviu o podcast Negócios SC? Conteúdo direto ao ponto com convidados super especiais Ouça aqui
Sucesso! Sua mensagem foi enviada.
Ops! Nós tivemos um problema mensagem não enviada.
Negócios SC NSC Comunicação linkedin facebook youtube infograico