logo Negócios SC
Simule sua Campanha

voltar

Negócios SC

Negócios SC

Tecnologia

O que é Web 3.0 e como ela muda a navegação na internet?

19/04/2022

A Web é um espaço contraditório. Ao mesmo tempo em que ela permite interações entre pessoas e negócios do mundo todo, ela está cada vez mais concentrada nas mãos de poucas empresas.

Veja o caso da Meta, antiga Facebook. Ela tem os dois aplicativos de mensagens mais usados no Brasil: WhatsApp (usado por 96,4% dos internautas) e Facebook Messenger (62,3%), segundo o relatório Digital 2022: Brazil. Além disso, de acordo com o Sebrae, 84% das empresas brasileiras que digitalizaram seus serviços preferem impulsionar as vendas pelo WhatsApp.

Então, o que acontece caso esse uso seja comprometido, como aconteceu em outubro de 2021, quando a Meta ficou fora do ar? Para os pequenos negócios que dependiam desses serviços, isso representou uma queda nas vendas de até 60% no período.

Mas está surgindo uma nova proposta de Web, com foco na descentralização dos dados, que pretende mudar a forma como nos conectamos. É a Web 3.0, ou Web3, que apresentamos a seguir. Acompanhe!

O que é a Web?

A Web é uma parte da internet que consiste em páginas que podem ser carregadas por um navegador, segundo a Techopedia. Ela foi proposta em 1989 por Timothy Berners-Lee, conhecido como o criador da World Wide Web, e implementada em 1990.

Ou seja, a Web e a internet são dois conceitos diferentes na prática. Enquanto a internet refere-se à rede global de computadores que permitem a troca de informações, a Web é uma forma de acessar, executar e interligar documentos dentro da internet.

Já a Web 3.0, como o próprio nome sugere, é uma evolução da Web que chega à sua terceira geração. Portanto, é preciso conhecer o que é cada versão da Web para saber o que está sendo proposto de novo.

Leia também: A revolução da inteligência artificial na publicidade

A Web3 propõe uma navegação descentralizada entre máquinas. (Imagem via Freepik)

Web 1.0

Em sua versão inicial, a Web não permitia que os usuários finais alterassem os conteúdos das páginas que visitavam, por isso a Web 1.0 também é conhecida como Web estática. O acesso resumia-se a abrir páginas em um navegador por meio de um protocolo HTTP (Hypertext Transfer Protocol). Esse protocolo permite a transmissão de documentos, como hipertextos, imagens e sons, entre um servidor Web e um navegador Web.

Ainda hoje a navegação na Web baseia-se nesse mesmo princípio de servidor centralizado — basta olhar o endereço dos sites na sua barra de navegação. Então, se há um problema com esse servidor, a informação fica inacessível para o usuário final.

Isso é uma grande preocupação na medida em que a computação na nuvem torna-se cada vez mais difundida e as empresas acabam recorrendo aos mesmos provedores de serviços. Só a AWS, da Amazon, controla 41,5% do mercado de armazenamento na nuvem, segundo a McAfee.

Web 2.0

Esta nova fase marca a era social da Web, não só pela ascensão das redes como Myspace, Orkut e Facebook, mas pela possibilidade de os usuários alterarem as páginas. Ou seja, é a era do conteúdo interativo ou do conteúdo gerado pelos usuários. Exemplos famosos dessa contribuição estão nas avaliações de produtos em lojas virtuais, na criação conjunta dos artigos da Wikipedia e nas postagens em redes sociais.

No entanto, mesmo com essa maior participação do usuário, a Web ainda é bastante centralizada. As big techs do Ocidente (Amazon, Apple, Google, Meta, Microsoft e Google) e Oriente (como Tencent e Alibaba) controlam a maior parte dos dados desses usuários.

Leia também: Como lidar com reclamações de clientes on-line?

Web 3.0 (Web3)

A Web 3.0, ou Web3, muda o paradigma de como as informações são armazenadas e acessadas. Em vez de um local fixo, como um único servidor, a informação é distribuída em redes descentralizadas por meio da tecnologia blockchain. Ou seja, sai um protocolo centralizador como o HTTP e entra o peer-to-peer (ponto por ponto), uma arquitetura de rede em que todos os computadores podem servir de servidor e cliente ao mesmo tempo.

Outra mudança é a colaboração direta entre máquinas pela inteligência artificial e aprendizagem de máquina. Nesse sentido, o Future Institute Today cita o exemplo da OTOY, empresa de animação gráfica na nuvem que economiza recursos em projetos 3D descentralizando o uso de processadores. Uma rede de parceiros disponíveis faz esse processamento de forma remota.

No entanto, a Web3 está em desenvolvimento. O conceito foi fundado apenas em 2014, por Gavin Wood, e ainda tem um longo caminho pela frente. Basta observar como outros exemplos de descentralização, como as criptomoedas, estão reservadas a um pequeno grupo de entusiastas e longe do grande público.

Como a Web3 impacta os negócios e a sociedade?

A proposta de uma Web mais descentralizada e com maior controle dos dados pelos usuários é ótima, a princípio. Contudo, a Web3 traz também muitas perguntas.

Um dos benefícios prometidos por essa nova Web é interação mais direta entre público, criadores de conteúdo e marcas na internet. Atualmente, criadores de conteúdo e marcas estão sujeitas às políticas internas das redes sociais para ter alcance on-line. Por outro lado, com a Web 3.0, tanto a produção quanto o engajamento podem ser remunerados em criptomoedas, sem a interferência dos algoritmos.

A ideia é que um perfil em NFT contenha todo o histórico de conteúdos gerados por um usuário, criador ou marca. Esses perfis então podem se conectar entre si, engajar e configurar formas de monetização. Mas, nesse caso, como fica a descoberta de novas marcas em um ambiente descentralizado? E como as empresas podem fazer um marketing segmentado sem dados do público?

Outra questão relevante a respeito da Web3 é a dificuldade de regulamentação. Por exemplo, como controlar a propagação de fake news ou remover sites fraudulentos quando eles não têm um endereço fixo, mas estão espalhados por diversas máquinas?

A Web 3.0 promove um debate interessante, sem dúvida, especialmente pelo objetivo de distribuir mais equilibradamente o poder na internet. Mas como ela será de fato apenas saberemos com a aplicação gradual dessa transformação.

Fique por dentro de outras tendências em tecnologia com os Principais Insights do SXSW 2022.

 


Negócios SC


Já ouviu o podcast Negócios SC? Conteúdo direto ao ponto com convidados super especiais Ouça aqui
Sucesso! Sua mensagem foi enviada.
Ops! Nós tivemos um problema mensagem não enviada.
Negócios SC NSC Comunicação linkedin facebook youtube infograico