logo Negócios SC
Simule sua Campanha

voltar

Negócios SC

Negócios SC

Marketing

Neuromarketing: 3 lições para a produção de conteúdo

30/04/2021

Adotar uma postura analítica no marketing pode revelar muito sobre o que funciona para sua comunicação, mas ainda não é capaz de dizer tudo. Um teste A/B, por exemplo, vai mostrar que A é melhor que B, ou vice-versa, e você poderá usar esse conhecimento para replicar os efeitos em ações futuras. O que o teste não explica é por que uma opção tem melhor resultado que a outra.

Aí entra o neuromarketing, isto é, a aplicação da neurociência ao marketing para descobrir como as ações das marcas impactam fisicamente e psicologicamente o consumidor. Para isso, são usados desde exames de ressonância magnética e eletroencefalograma até o monitoramento da pulsação, da temperatura corporal e dos batimentos cardíacos.

Imagine usar esse tipo de conhecimento para criar uma comunicação que impacta profundamente o público. Pois é possível usar o neuromarketing de diferentes formas, inclusive na produção de conteúdo, como mostraremos adiante.

Como o neuromarketing pode ajudar?

Podemos deixar ainda mais nítida a importância do neuromarketing usando novamente como referência o teste A/B.

Agora imagine que sua empresa pretenda veicular um comercial de televisão e para isso produza duas versões. Então exibe essas opções para audiências de teste e avalia qual dos anúncios desperta maior interesse pela marca, maior intenção de compra e assim por diante. Digamos também que o anúncio A tenha um melhor desempenho.

O que o neuromarketing permite descobrir é o que faz o anúncio A funcionar e como ele pode ser ainda melhor.

Por exemplo, ao monitorar o movimento ocular da audiência de teste, sua empresa pode descobrir que outro elemento focal chamava a atenção do público no instante em que a chamada para ação era exibida. Isso pode explicar por que um comercial pode gerar uma boa impressão mas não resultar na conversão esperada.

Outra descoberta possível é que talvez ambos os anúncios despertem pouca reação emocional e o melhor desempenho de um se deva a fatores técnicos. No entanto, se eles fossem testados com uma terceira opção que fizesse o coração bater mais forte, provavelmente esta seria a escolha favorita do público.

Pondo de outro modo, o neuromarketing busca explicar a fonte do impacto, em vez de avaliá-lo ao final.

Leia também: 5 formas como o neuromarketing ajuda a vender mais

O neuromarketing pode ser aplicado para melhorar a produção de conteúdo. (Foto via Freepik)

3 lições de neuromarketing para a produção de conteúdo

1) Toque nos pontos de dor da persona

Para fazer uma boa produção de conteúdo é necessário ter uma buyer persona, ou persona do comprador, bem definida. Isso ajudará não somente a selecionar os temas mais importantes para seu público, como permitirá usar esta primeira lição de neuromarketing.

De acordo com Christophe Morin e outros autores no campo do neuromarketing, é mais eficiente focar nas dores que o consumidor evita do que nas vantagens que ele pode receber com seu produto ou serviço.

Por exemplo, ao defender o próprio uso do neuromarketing, podemos usar o argumento de que sua empresa vai parar de perder dinheiro com anúncios que não geram impacto algum.

Mas para fazer isso, é claro, deve-se conhecer bem as dores do seu potencial cliente para saber como tocar nelas em seus conteúdos.

2) Use o gatilho mental da escassez

Um jeito bem conhecido de despertar a reação do público é usar o gatilho da escassez. Ele pode ser utilizado em qualquer fase do funil de vendas, fortalecendo uma chamada para ação.

A Black Friday é um exemplo de gatilho de escassez. Nesse caso, de oferta por tempo limitado, transformando a última sexta-feira de novembro em um evento de compras. A Amazon também é bastante conhecida por essa prática, intensificando o senso de urgência com relógios em contagem regressiva. Ainda é possível recorrer a estoques limitados, brindes exclusivos e outras formas de tornar aquela oportunidade única.

Essa “lei da escassez” é estudada pelo menos desde 1975, quando 200 indivíduos pesquisados avaliaram itens mais escassos como mais desejáveis, em comparação àqueles com maior estoque.

No entanto, vale ter cuidado quando usar o gatilho mental da escassez com produtos digitais, como cursos on-line, e-books etc. Por que haveria limite de oferta se não é um produto físico? A dica nesses casos é associar o bem imaterial a uma vantagem em quantidade ou tempo limitado.

Leia também: Neurosales: como aumentar o desempenho do seu time de vendas

3) Dê provas sociais

O comportamento de manada é um traço comum da humanidade, mas isso não é algo necessariamente ruim. Afinal, é uma forma de nos protegermos contra riscos e elementos desconhecidos, seguindo ações das pessoas ao nosso redor.

Por isso é tão importante na produção de conteúdo trazer depoimentos de clientes, cases de sucesso, além de opiniões de especialistas e influenciadores na área. Primeiro, porque dá mais segurança saber que alguém já usou antes. Em segundo lugar, porque estimula o desejo de fazer parte desse movimento que está sendo formado.

Agora, você sabia que o branded content pode servir como prova social? Falar da marca em um veículo de confiança do público é também uma forma de validação.

A partir dessas dicas, melhore suas técnicas de convencimento com nosso e-book Gatilhos mentais e persuasão. Nele você vai descobrir os erros que está cometendo em produção de conteúdo e vendas para ter melhores resultados a partir de então. Aproveite! 


Negócios SC

Estúdio NSC Branded Content

Já ouviu o podcast Negócios SC? Conteúdo direto ao ponto com convidados super especiais Ouça aqui
Sucesso! Sua mensagem foi enviada.
Ops! Nós tivemos um problema mensagem não enviada.
Negócios SC NSC Comunicação linkedin facebook youtube infograico