logo Negócios SC
Simule sua Campanha
Entrevista

Como ter um propósito definido ajuda a aumentar o valor da marca

13/09/2018

Em um tempo em que as pessoas se baseiam no propósito das marcas para fazer suas escolhas, valor é percebido como uma entrega que vai além de produtos

Em uma de suas citações mais célebres, Steve Jobs afirmou: “Marketing é sobre valores. Este é um mundo complicado e barulhento, e nós não vamos ter a chance para fazer as pessoas lembrarem muito de nós. Nenhuma empresa vai. Portanto, temos de ser muito claros sobre o que queremos que elas saibam sobre nós.”

Se o empreendedor é referência quase uma década após sua morte é porque seu legado aparece nos números: a Apple, empresa que ajudou a fundar em 1976, lidera o ranking das Marcas Mais Valiosas do Mundo, com um valor estimado em US$182,8 bilhões. Mais do que a inovação dos produtos (que quebraram barreiras no passado, mas hoje competem ferozmente com os similares asiáticos), Jobs construiu uma base de fãs cuja lealdade espanta até especialistas. “Só a Apple consegue se safar ao colocar um telefone de US$999 no mercado e ainda vender 29 milhões de unidades em menos de dois meses”, brincou o jornalista da Forbes Kurt Badenhausen ao divulgar a lista deste ano.

Além da Apple, outras grandes empresas de tecnologia completam o top-5 das Marcas Mais Valiosas de 2018: Google, Microsoft, Facebook e Amazon. O que não vem como surpresa. De acordo com a consultoria Forrester Research, o setor crescerá 4% este ano, representando uma valorização de US$ 3 bilhões. A agilidade para antecipar comportamentos e oferecer serviços rapidamente ajuda a justificar esse progresso.

– As pessoas agora buscam produtos que atendam a necessidade de transformação da sociedade. O valor monetário hoje é consequência da valorização por um propósito maior – argumenta Denise Köche, Brazil brand strategist da fintech MOEDA.

É o caso da IBM, outra líder avaliada em US$ 32,1 bilhões. Sinônimo de equipamentos de informática por mais de um século, a empresa reformulou toda a base para focar em sistemas (como o notório Watson) e prestação de serviços de Tecnologia da Informação. Hoje, a corporação tem a capacidade de abraçar causas maiores, como a construção de smart cities que impactam positivamente diversas comunidades.

– O mais interessante é que a IBM não é uma marca para o consumidor final. Estamos falando de uma marca B2B. O que dizer das marcas orientadas para o consumidor, em que há uma cobrança muito maior por fazerem parte da vida das pessoas no dia a dia? – analisa Köche.

Do “storytelling” ao “storydoing”

O segmento de tecnologia é mais rentável hoje por estar em ascensão, mas há uma nítida desvantagem: os desafios de aproximar o público de um setor tão distante, que passa por atualizações frequentes e, muitas vezes, radicais. Se voltarmos à fala de Jobs, percebemos que o segredo de seu sucesso é a comunicação clara de seu propósito, algo que pode ser replicado em qualquer mercado.

A importância de valores autênticos foi reforçada na conferência dedicada às Melhores Marcas Globais de 2017 da consultoria Interbrand, que mostrou como empresas inovadoras aplicam no dia a dia boas práticas para a construção efetiva de percepção de valor. “Compartilhamento”, “orientação a dados” e “humanização”  são os conceitos que guiam o crescimento sustentável e colaborativo.

Nesse cenário, o diálogo com o consumidor é imprescindível, por isso o discurso deve ser alinhado em todos os setores da companhia.

– Para que a essência desses players chegue ao público, lançar um slogan como o “Share Happiness” [da Coca-Cola] não é suficiente. Os esforços hoje são maiores, vão além do departamento de marketing para envolver a empresa inteira – reforça Köche.

Segundo a estrategista, vivenciar a essência da marca é indispensável para uma corporação contemporânea se manter relevante. Para isso, Köche usa o termo “storydoing”, uma evolução do jargão “storytelling”, que se resume em contar a história da marca na prática.

– Eu não posso mais simplesmente contá-la. Eu preciso ser participativa nessa história e permitir que as pessoas façam parte desse movimento junto comigo. Para isso, todos os envolvidos com a marca, do marketing ao comercial e financeiro, têm que realmente vivê-la – explica.

Com a ampliação da concorrência, natural em um mundo globalizado e conectado, as expectativas dos consumidores também cresceram. São tantas opções disponíveis que as pessoas buscam aquelas que representam algo maior e têm valores alinhados aos seus.

– Para a empresa ter vida, ela não pode apenas vender um serviço, ela precisa oferecer uma solução. A tecnologia é o serviço, a solução é humana – conclui Köche.

Entenda como o jornal pode ser utilizado em estratégias da sua marca.


Camila Beaumord

Camila Beaumord

Content creator

Tenha uma marca inesquecível! Comece agora
Sucesso! Sua mensagem foi enviada.
Ops! Nós tivemos um problema mensagem não enviada.
Negócios SC NSC Comunicação linkedin facebook infograico