logo Negócios SC
Simule sua Campanha
Inovação

Capacitação: o esforço deve ser individual ou da empresa?

29/05/2019

Você, como gestor, tem a preocupação de qualificar a sua equipe? E você, como colaborador, fica esperando pela capacitação ou assume a responsabilidade pela própria formação? Sabemos que as duas partes têm responsabilidades. Mas é a parte mais fraca que, enquanto aguarda, sofre as piores consequências.

Escola da experiência

Eric Schmidt iniciou a carreira na Sun Microsystems. Ficou lá por mais de uma década. E então aceitou o desafio de ir para a Novell. Ele não se informou antes (due dilligence), e só quando já estava no barco percebeu o tamanho dos problemas: fraudes, dívidas, caos. No entanto, essa foi a maior escola que ele jamais poderia ter.

E só por ter atuado tão bem nesse período turbulento é que ele foi escolhido para assumir a gestão do Google – onde foi CEO por 10 anos. Guardadas as devidas proporções, eu já vi essa história várias vezes: olhando para trás, o profissional percebe o quanto os momentos críticos impulsionaram sua trajetória.

Ouvi Eric Schmidt comentando que, se ele tivesse pesquisado a situação da Novell, não teria aceitado o emprego. Mas foi essa “imprudência” que propiciou a sua formação: as experiências capacitam. Logo, deveríamos estar buscando situações e cenários (e não apenas cursos e palestras) que nos moldem para o futuro.

O que se percebe, no entanto, é uma busca incessante por estabilidade e sossego. Reclamar dos problemas e buscar vida mansa já é uma questão cultural.

E a empresa, o local onde isso acontece, deve intervir nesse cenário?

Moldando a cultura

É difícil, mas é necessário moldar a cultura corporativa. Edgar Schein, referência no tema, dizia que a cultura é o resultado das nossas prioridades e dos nossos processos. Ou seja: é a forma que fazemos aquilo que escolhemos fazer.

No entanto, na gincana empresarial do dia a dia, fazemos o que é urgente, e da forma que sempre foi feito. E isso também é cultura. E um ponto extremamente crítico: não importa se estamos intervindo ou não, a cultura vai existir de qualquer forma.

Clayton Christensen, uma das maiores referências em inovação, compara a formação da cultura empresarial com a educação dos filhos. Brigar, punir e dizer o que fazer pode funcionar em situações extremas. Mas em casa ou na firma, isso não constrói uma relação de confiança.

Se a sua filha perdeu o prazo de um trabalho escolar, quem sabe seja melhor você deixar ela sofrer as consequências. Se você ajudar ela a acabar o trabalho para não perder nota, vai transmitir a ideia de que os pais estarão ali para resolver o próximo descaso.

Como sugere Christensen, quem sabe seja importante deixar a criança ajudar a pintar a casa ou cortar a grama – por mais que elas só atrapalhem na tarefa. Mas depois vocês vão poder olhar juntos para a obra completa e sentir orgulho do trabalho em equipe. Assim se constrói uma cultura orientada pelo exemplo, pela experiência.

É preciso praticar o que valorizamos para que as crianças, no caso, comecem a fazer isso de forma automática. A cultura, para o bem ou para o mal, é o nosso piloto automático. Precisamos programar esse piloto automático.

“Eu só trabalho aqui”

Quando falamos em cultura, o problema é que colocamos toda a responsabilidade nos chefes. Mas a própria educação é uma responsabilidade individual, assim como a própria cultura de trabalho. O argumento é simples: é importante que a empresa treine, capacite, construa cultura. Mas e se ela não fizer?

Um exemplo que percebo com frequência: existe o funcionário que se comporta como sócio, e o que se comporta como… funcionário. Este último é aquele que, diante de um problema mais grave, diz “eu só trabalho aqui. Fale com o gerente.”

Sim, as empresas têm boa parte da culpa. Mas não controlamos as empresas. O que controlamos são as nossas decisões. E a primeira deveria ser essa mudança de mentalidade: adotar um comportamento de sócio, mesmo ganhando mal e tendo poucas responsabilidades. As coisas mudam com a mudança de postura.

E se não mudarem? Então “mudar” se torna uma opção sua.

Um paradoxo moderno

Podemos reclamar. Esperar. Ter a quem culpar – o que, convenhamos, é cômodo. Ou podemos assumir a responsabilidade pela nossa própria formação.

E vale lembrar: a informação está toda disponibilizada. O conteúdo está ao alcance de todos. Nada contra sentar numa sala e ouvir o especialista falar. Mas não podemos esquecer que a melhor capacitação acontece quando enfrentamos situações difíceis.

Mas estamos evitando situações críticas. Queremos sossego. E eis um paradoxo moderno: quanto mais nos aproximamos dos nossos objetivos (estabilidade, vida mansa) menos aprendemos. E menos preparados estaremos para o futuro.

E para as empresas?

Três recomendações surgem dessas observações:

  1. Não avaliar um currículo só pelos títulos e posições. Quem sabe seja mais valioso descobrir as dificuldades que o candidato já enfrentou – inclusive em promoções internas. Segundo Eric Schmidt, o Google busca trazer, por exemplo, ex-atletas de ponta para a equipe: a empresa sabe o impacto dos anos de disciplina e dedicação na formação profissional.
  2. Criar novas formas de capacitar. Rodízio de funções, imersões em clientes e fornecedores, reflexões para aprender com erros e problemas: não podemos mais considerar “capacitação” apenas o tempo em sala de aula.
  3. Como destaca Clayton Christensen, as estratégias e os projetos de inovação só saem do papel quando alocamos nossos recursos – tempo, esforço e dinheiro. Para facilitar a reflexão: quanto tempo e esforço a sua empresa vai dedicar para transformar a cultura?

Conteúdo produzido em colaboração com Lucas Miguel Gnigler, diretor de operações do grupo D/Araújo Comunicação.


Content Creator

Estúdio NSC Branded Content

Tenha uma marca inesquecível! Comece agora
Sucesso! Sua mensagem foi enviada.
Ops! Nós tivemos um problema mensagem não enviada.
Negócios SC NSC Comunicação linkedin facebook infograico