logo Negócios SC
Simule sua Campanha

voltar

Negócios SC

Negócios SC

Comunicação

A nova era do áudio em diferentes meios e formatos

18/02/2021

Nos últimos anos, uma nova fronteira de criação de conteúdo tem se aberto no horizonte do marketing. Em 2021, tornou-se uma febre, chamando a atenção de consumidores e marcas igualmente. Então, prepare-se: a corrida pelo público de áudio está a toda.

Conteúdo em áudio tem se tornado cada vez mais popular, desde os meios tradicionais, como na rádio, até os podcasts e redes sociais que são fenômenos na internet. Inclusive, você já deve ter ouvido sobre a nova sensação em troca de mensagens por voz, o Clubhouse.

Saiba mais sobre essa tendência e descubra novos formatos de publicidade para a comunicação da sua marca.

O crescimento de podcasts e audiolivros

O hábito de ouvir podcasts cresce ano a ano, tendo ganhado um impulso extra durante a pandemia.

No Spotify, o consumo de podcasts cresceu 200% em 2020, em relação ao ano anterior. De acordo com o serviço de streaming de áudio, um em cada cinco usuários (22%) ouviram episódios por lá. Considerando que há 299 milhões de usuários ativos no Spotify, isso representa um público de mais de 65 milhões de ouvintes de podcasts apenas na plataforma.

O Brasil ocupa um lugar de destaque nesse cenário Segundo a Blubrry Podcasting, o País é o segundo maior mercado mundial em downloads do formato. O primeiro é os Estados Unidos.

Outro formato de áudio que tem sido tendência entre os americanos é o do audiolivro. Nos EUA, a venda de audiolivros já supera a de e-books: foi $ 1,2 bilhão contra $ 983 milhões em 2019.

Em terras brasileiras, os audiolivros também demonstram potencial de crescimento, com o surgimento de diversas soluções voltadas à produção de conteúdo nesse formato.

— O brasileiro tem tudo para acrescentar mais conteúdos sonoros à sua rotina. O que faltava era produção e entrega — comenta Flávio Osso, CEO do Ubook, à Valor. A startup brasileira de audiolivros conta com mais de 400 mil títulos no catálogo e mais de 6,5 milhões de usuários.

Leia também: Como começar a investir em podcasts?

Conteúdo em áudio conquista o público em diferentes formatos. (Foto via Freepik)

 

Clubhouse e outras redes sociais de mensagens por voz

Em certa medida, a maioria das pessoas é produtora de áudio na internet. O aplicativo de mensagens mais usado no mundo que o diga. No WhatsApp, são feitas mais de 100 milhões de chamadas de voz e enviadas mais de 200 milhões de mensagens de áudio por dia.

Mas novas redes sociais entram na disputa por esse nicho das “redes de áudio”. Um forte concorrente é o Clubhouse, que tem ganhado notoriedade nos últimos meses.

O aplicativo estreou em março de 2020 com apenas 1.500 usuários, com foco no público do Vale do Silício. Em dezembro, o Clubhouse tinha 600 mil usuários. Então, em fevereiro de 2021, chegou a 6 milhões de usuários pelo mundo.

Diversas celebridades, do cantor Drake ao empresário Elon Musk, já se renderam ao Clubhouse, em que os usuários podem criar ou se juntar a salas com temas de conversa definidos. Dentro dessas salas há moderadores que conduzem as falas dos participantes. Todas as mensagens são por voz.

O crescimento de 1.000% em apenas três meses é ainda mais impressionante ao considerar que, para entrar na rede, é preciso convite. Além disso, por enquanto, o Clubhouse está disponível apenas para usuários de iOS.

Mesmo com essas restrições, ele já está entre os cinco aplicativos de redes sociais mais baixados na App Store. Inclusive, é o aplicativo mais baixado em países como Alemanha, Japão e Turquia.

Vendo esse rápido crescimento do Clubhouse, o Twitter lançou a função Spaces, baseada em voz. O Facebook também está na corrida pelo conteúdo de áudio. Outros aplicativos, como Wavve, Riffr e Spoon devem movimentar ainda mais esse mercado.

Leia também: Conheça o verdadeiro perfil do público da rádio

Audiência da rádio alcança milhares de catarinenses

Entretanto, quando falamos de conteúdo em áudio na estratégia de comunicação das marcas, o poder da rádio é incomparável.

Assim como nos formatos digitais, a audiência da rádio também aumentou na pandemia. Por exemplo, a Rádio CBN teve um crescimento de 59% entre janeiro e setembro de 2020. Na Grande Florianópolis, são mais de 60 mil ouvintes por mês.

Na mesma região, a Itapema FM é outra emissora com um grande número de admiradores. São mais de 109 mil ouvintes mensais, chegando a quase dez mil indivíduos sintonizados por minuto durante a programação.

Já o público da Rádio Atlântida é ainda mais expressivo. A audiência do Pretinho Básico na Grande Florianópolis lotaria o estádio da Ressacada, com seus mais de 17 mil ouvintes por minuto, de acordo com a Kantar IBOPE Media. Em toda Santa Catarina, a rede ATL chega a mais de 850 mil pessoas.

Vale lembrar também que a rádio é um dos meios de comunicação mais populares e de maior envolvimento no Brasil. Como revela a Kantar, três em cada cinco brasileiros ouviram rádio todos os dias e ficaram ligados, em média, 4 horas e 41 minutos por dia em 2020. No ano anterior, foram 4 horas e 33 minutos, ou seja, houve um acréscimo de oito minutos diários, prova de que o meio continua em crescimento.

Então, se você procura por bons motivos para anunciar na rádio, pode incluir a ampla visibilidade para a marca e a fidelidade da audiência entre eles.

Quer se conectar com o público de áudio? A NSC pode ajudar! Confira nosso Guia essencial de rádio e veja como alcançar milhares de catarinenses ao mesmo instante, com ótimas condições de investimento.


Negócios SC

Estúdio NSC Branded Content

Já ouviu o podcast Negócios SC? Conteúdo direto ao ponto com convidados super especiais Ouça aqui
Sucesso! Sua mensagem foi enviada.
Ops! Nós tivemos um problema mensagem não enviada.
Negócios SC NSC Comunicação linkedin facebook youtube infograico